quarta-feira, 3 de março de 2010

 UM DIA NAS TRINCHEIRAS 

Quinta-feira, 30 de Julho de 1914


Desde o início da guerra que vivo este pesadelo com muita
infelicidade.
Estou apavorado, cada dia que passa morrem colegas meus
e sei que o que lhes aconteceu a eles, pode vir a acontecer-me a 
min.
Mas o problema maior é que nós os soldados, vivemos em
condições muito desfavoráveis, passamos fome, os grandes e
indesejáveis frios de França e o trauma de ver as pessoas
morrerem, principalmente os meus grandes amigos.
A guerra é muito dolorosa, a maior parte das vezes as
nossas principais defensoras são as trincheiras, elas
protegem-nos de sermos atingidos, são grandes buracos
que nos têm safado muito.
Ainda bem que eu estava lá quando o meu companheiro,
Manuel foi atingido na perna direita. Pude ajudá-lo.
Felizmente sobreviveu.
Tenho que acreditar, em breve voltarei para casa.
Mas, enquanto aqui permanecer, vou dar o meu melhor
como soldado e como homem.
Os nossos generais são muito exigentes querem ver bons
resultados na guerra.
Na minha opnião é cruel haver guerras.
Tanta dor !!!
Tanto sofrimento !!!
Porque é que não resolvem as coisas de outra  forma ?
É uma pergunta que faço a mim mesmo. 
Trabalho realizado por :
Carolina Serápio nº6
Beatriz Serápio nº4
           6ºA                 

Sem comentários:

Enviar um comentário